25 de fevereiro de 2013

Carta Aberta ao Presidente do Vitória de Guimarães

Ex.mos Senhores,
Direcção do Vitória Sport Clube de Guimarães,

Ontem, dia 24 de Fevereiro de 2013, o Estádio D. Afonso Henriques transformou-se no palco de uma das páginas mais negras do desporto no nosso país.

Infelizmente, nenhum clube tem o exclusivo da dignidadede e seriedade e os episódios de violência podem esporadicamente atormentar os mais bem intencionados clubes.

Há algumas semanas atrás faleceu um adepto do S.C. de Braga, perseguido na sequência de lamentáveis confrontos com uma claque rival. Pensávamos que isso teria servido de alerta e reflexão para todos os intervenientes na indústria do futebol. Parece que não. Dentro do próprio S.C. de Braga existe uma minoria de adeptos desordeiros que há dias manchou a boa imagem deste clube, na recepção ao Paços de Ferreira. Também aí a claque adversária soltou impropérios, provocações, arremessou cadeiras. Mas nada poderia justificar a atitude vil de um grupo de desordeiros que quis tirar partido da situação. Nessa altura, muitos adeptos do Braga sentiram vergonha de tais actos. Nessa noite, muitos como eu que estavam presentes naquela bancada, quando os viram deslocarem-se, gritaram-lhes "Deixem-se de palhaçadas, vamos é ver a bola! Voltem ao vosso lugar!", fazendo-lhes mesmo gestos indignados! Vaiando-os! De tal modo, que mesmo com grande gravidade criada, a actuação dessa pequena minoria não degenerou em confrontos físicos. E não terá sido pelos "stewards" ou pelos 2 ou 3 enfermeiros da cruz vermelha que se interpuseram: se tivessem querido efectivamente agredir não teria sido isso essa meia-dúzia de pessoas a impedi-los! Foi também porque o pequeno grupo de desordeiros terá pressentido pela reacção de toda a bancada que tinham ido longe demais! Ficaram-se pela palhaçada dos arremessos de cadeiras. O que não deixou de ser muitíssimo grave!

Nessa noite, o digníssimo Presidente do S.C. de Braga, surpreendido com a inesperada emergência de tais episódios no seu estádio, teve a elevação moral de logo naquele momento e perante as câmaras de televisão de todo o país, condenar os actos dos seus próprios adeptos e assumir inequivocamente a responsabilidade em nome do S.C. de Braga! Pedindo mesmo desculpas formais e em directo ao F.C. Paços de Ferreira e seus adeptos! Não apagou a vergonha, mas ficou pelo menos um assomo de dignidade! Para que os normais adeptos do nosso clube pudessem enfrentar com coragem os problemas no seu próprio clube.

Mas ontem o que se passou no Estádio D. Afonso Henriques foi de uma gravidade e de um patamar de violência inédito. Passou-se mesmo aos confrontos directos e houve umas dezenas de adeptos do Braga que foram perseguidos e agredidos em pleno estádio por centenas de adeptos do Vitória S.C. Guimarães. Vocês possuirão diversas imagens que documentam o sucedido, com dezenas de adeptos a agredir repetidamente um ou dois adeptos do Braga que não conseguiram fugir. Por sorte, por mera sorte, ninguém faleceu! Apesar de vários terem recebido tratamento hospitalar.

Perante tais factos, venho junto de V.as Ex.cias, e na esperança que esta espiral de violência possa ter um sinal de contenção, procurar resposta para estas dilacerantes questões:

- Porque razão, atento o histórico de rivalidade entre os dois clubes, a Direcção do Vitória S.C. de Guimarães entendeu não haver razões para policiamento neste jogo?

- Sobretudo quando tal jogo seria no dia imediatamente a seguir a uma deslocação do Vitória S.C. a Braga (onde, precisamente por ser um jogo historicamente de alto risco, estiveram presentes 90 agentes da P.S.P. para proteger os adeptos vitorianos, que se constatou terem sido bem necessários)?

- E ainda por cima, com alertas, avisos e até protestos formais prévios por parte do S.C. de Braga?

- Mas, o mais perturbador: porque razão, mesmo quando a própria Polícia percebeu a gravidade da situação, e se dispôs ela própria a sua expensas policiar esta deslocação, não teve permissão por parte da Direcção do Vitória S.C. de Guimarães para entrar previamente no Estádio?

- E porque é que após o eclodir dos confrontos demorou cerca de 10 minutos a serem chamados?

- E, por outro lado, mesmo independentemente da questão policial: como é possível que tendo um estádio praticamente vazio, a Direcção do Vitória S.C. de Guimarães tenha colocado as escassas dezenas de adeptos visitantes na área confinante à claque do Vitória S.C., e com comunicação física entre ambas as bancadas?

Posto isto, torna-se difícil acreditar que V.as Ex.as não soubessem do que se iria passar. Além de nada fazerem para o impedir, fica a tristíssima conclusão que vocês deliberadamente contribuíram para o sucedido ao posicionarem as claques em áreas confinantes. E ao não convocarem o policiamento  E ao não terem permitido que antes do jogo a Polícia já estivesse dentro do estádio. E a demorarem depois a recorrer a ela.

Ontem, por sorte, não faleceu ninguém. Mas há imagens que falam por si e são arrepiantes. Que a todos no merecem a mais veemente condenação. Contudo, a mera condenação e palavras "leva-as o vento", como diz o nosso povo.

Com tal atitude, vocês inauguraram um novo patamar de violência nos nossos estádios. Já não é um grupo de desordeiros: é a Direcção de um clube de futebol que prevendo o que se iria passar não só nada faz para o impedir, como dispõe as coisas para que isso aconteça.

Não vale a pena "assobiar para o ar", ou tentar atirar as culpas para a Polícia (que tentou evitar além do que lhe era exigido) ou do Governo (o facto de os clubes poderem dispensar o policiamento deve ser unicamente para jogos sem risco de confrontação - o que era a antítese deste jogo). Nem sequer se podem refugiar no argumento de falta de verbas: a Polícia, por sua própria consciência (que não vossa), até acabou por comparecer.

Espero que possam reflectir sobre o que se passou... antes que a morte de seres humanos vos faça, a final, rebater a consciência. Aí será tarde. E não haverá palavras de lamento que remedeiem. Soará a hipocrisia. A cinismo.

Convido-vos, e a todos os adeptos de bom senso do Vitoria S.C. de Guimarães, a reflectir seriamente no que se passou e a começarem pelo óbvio: um pedido de desculpas formal ao Sporting Clube de Braga e aos seus adeptos, pois nada justificaria o que se passou ontem!

Seria o início.
Seria o sinal de que essa Direcção afinal se distancia de facto, e não por palavras vagas e genéricas, da violência cometida pelos seus próprios adeptos.
Seria o início de uma nova atitude em que a Direcção repudiaria mesmo o simples facto de que um estádio inteiro tenha batido palmas às agressões (o que, graças a Deus, esteve longe de ser o que se passou aqui em Braga).
Seria o início de uma reflexão que levasse os adeptos de boa fé de ambos os clubes a enfrentarem este problema de frente.
Mas para tal era necessária uma Direcção com CORAGEM!
Com coragem para enfrentar a própria mentalidade da sua massa associativa que bate palmas à agressão a pessoas simplesmente por serem de Braga.
Com coragem para lutar pela educação, pelo civismo, pela DIGNIDADE!
Claro que de todos, sem excepção!
Mas inequivocamente a começar pela assunção da gravidade das vossas próprias responsabilidades no que ontem se passou.

Após assunção dessas responsabilidades e um pedido de desculpas formal ao S.C. Braga, terão aqui inúmeros seguidores! Inúmeros braguistas que vos apoiarão! Vocês sabem-no: há aqui adeptos vitorianos inscritos e ouvidos neste fórum! Inúmeros braguistas que vos aplaudirão e seguirão os vossos passos na implementação de medidas contra a violência!
Mas têm que ter coragem!

Com cordiais saudações desportivas, e na esperança que a vossa actuação vá muito para além de palavras vagas, e mostre que efectivamente têm coragem para enfrentar o problema de fundo, sem rodeios e de modo a que se possa criar um clima menos doentio nas relações entre nossos os dois clubes, me subscrevo,

C.A. no fórum SuperBraga.com