27 de dezembro de 2011

2011, O Ano do Braga

Jorge Miguel Dias, editor de desporto do jornal Público, elegeu a carreia europeia do Sporting de Braga como o facto desportivo do ano em Portugal, destacando que o Braga é uma equipa de topo do futebol português. O vídeo está disponível aqui no site do Público.

22 de dezembro de 2011

Braga Tem Novo Site

Novo Site do Sporting de Braga

O Sporting Clube de Braga estreou o seu novo site. Visite em www.scbraga.pt.

Braga Assina Protocolo com Clube Andraus Brasil

O Sporting de Braga assinou um protocolo com um clube brasileiro, o Clube Andraus Brasil, por três temporadas, a partir de 2012, anunciou nesta quinta-feira o emblema minhoto. “Esta parceria visa proporcionar uma troca de experiências em todas as áreas, ficando o Sporting de Braga com direito de opção sobre todos os atletas provenientes do Andraus, independentemente do escalão”, pode ler-se no sítio oficial do clube bracarense na Internet.

O protocolo assinado pelos presidentes dos dois clubes, António Salvador e Nadim Abrão Andraus Filho, é válido por três anos, com a possibilidade de ser prolongado pelo mesmo período de tempo.  Está prevista a possibilidade de intercâmbios de competições, em Portugal ou no Brasil, abrangendo qualquer escalão das duas partes.  Por outro lado, “ao nível técnico e médico passa a haver a possibilidade de uma troca de experiências com a realização de estágios e formações, tendo em vista o aperfeiçoamento técnico e clínico”.

Notícia Público

21 de dezembro de 2011

Jardim: um balanço

Numa altura em que as competições param, é tempo de balanço do que vai até aqui do trabalho de Leonardo Jardim, numa época em que, aquando do tiro de partida, quase tudo era novo. Olhando com objectividade os resultados até agora alcançados, em minha opinião, o saldo do trabalho de Leonardo Jardim é francamente positivo. 25 pontos na Liga após as primeiras 13 jornadas (com sete partidas fora de casa) é um belo pecúlio, até em termos históricos: trata-se do terceiro melhor registo da história do clube; nos tempos mais recentes, apenas a primeira época de Domingos registou um início de Liga melhor. É verdade que perdemos a Taça, infelizmente um replay do que tem acontecido nos últimos anos, com sorteios azarados e eliminações em casa de um dos metralhas: desta feita em Alvalade, ainda que com uma exibição que merecia mais. Na Europa, cumprimos os objectivos: ultrapassámos a fase de play-off e depois a fase de grupos. É verdade que ficar em primeiro lugar nesta fase estava ao nosso alcance, ficámos a um mísero ponto desse feito. Mas está tudo completamente em aberto, mesmo que tenhamos de enfrentar nos 16-avos um adversário complicado, servido por individualidades de um nível que não podemos almejar e, pior, dirigido por um treinador que conhece a nossa equipa como poucos. Mas, repito, tudo em aberto.

No entanto, fazendo uma auscultação rápida às opiniões dos adeptos, as críticas são mais do que muitas. Há muita gente que não está convencida com o trabalho de Jardim e com o rendimento da equipa, o que é facilmente perceptível no ambiente que se vive nas bancadas do AXA, nos últimos jogos. Em alguns casos (do foro patológico), mais do que uma apreciação desfavorável ao seu trabalho, Jardim desperta uma verdadeira aversão quando não ódio. Porquê este comportamento dos adeptos?

Uma das possíveis explicações seria a extrema valia do plantel. Ora, o nosso actual plantel, à parte o sector atacante, não está ao nível de outros plantéis mais recentes. O de Jorge Jesus e o de Domingos (no início da época passada) eram bem melhores, formados por gente com outras provas dadas. O actual plantel já não era, à partida, muito equilibrado nas posições defensivas, colmatadas na sua esmagadora maioria por novos jogadores. As sucessivas lesões traumáticas encarregaram-se de diminuir ainda mais a sua valia, dificultando ainda a necessária mecanização de um sector completamente reformulado relativamente à época anterior. Não parece, por isso, que se possa exigir mais a Jardim do que os nossos dois anteriores treinadores conseguiram fazer com planteis mais equilibrados. Portanto, não é crível (ou pelo menos, justo) que os adeptos não estejam satisfeitos com o comportamento da equipa porque o plantel alegadamente justificaria muito mais.

Outras explicações? A fasquia estabelecida nos últimos anos. Muito alta, na cabeça dos adeptos. Com Domingos, foi-lhes permitido sonhar com o título; na época seguinte, uma final europeia! Não importa se a Liga foi medíocre (a segunda pior da era Salvador), o chegar à final de Dublin, fazendo cair vários colossos pelo caminho, apaga-o da memória com facilidade. Os adeptos convenceram-se de que lutar por títulos seria, no Braga, “feijão com arroz”. Ainda [N]ão é, infelizmente. À partida para esta temporada, estamos inclusive mais longe, em termos teóricos, de todos os metralhas, que investiram somas sem precedentes nos plantéis, com a novidade de também o Sporting o ter feito. Neste aspecto, houve uma falha clara da estrutura dirigente e da equipa técnica do Braga, no início da época: era necessário baixar as expectativas para níveis mais adequados, sem que isso significasse falta de ambição. A clareza que hoje se constata no discurso de dirigentes e treinadores (“um lugar nos quatro primeiros”) não foi evidente no lançamento da temporada. Os adeptos são, por natureza, sonhadores e em boa verdade, é impossível impedi-lo. Mas é importante chamá-los à terra, introduzindo uma dose mínima de realismo. Os três metralhas estão mais longe – o que não significa que, se algum deles se descuidar, não possa ser por nós ultrapassado. Penso que esta argumento é muito forte, acredito que haja alguns adeptos que julgariam que deveríamos estar lá em cima, a discutir o título, considerando a valia do plantel.

Depois, temos Nuno Gomes. Um jogador de grande qualidade, inteligentíssimo, que certamente fez sonhar alguns dos nossos adeptos. Mas Nuno Gomes, mantendo algumas das suas qualidades intactas, é também um jogador com menor fulgor físico e com características pouco talhadas para o que vem sendo a nossa equipa, em particular frente a alguns adversários. Jardim tem mostrado que não tem complexos em lidar com um jogador da craveira e do prestígio de Nuno Gomes e são muitas as vezes em que pura e simplesmente não é utilizado. Admito que haja alguns adeptos que não o compreendam e considerem um desperdício a não-utilização daquele que poderia ser um jogador-bandeira. E que, bem entendido, continua a ser um jogador muito útil, mesmo se utilizado de forma intermitente.

Quanto ao temperamento de Jardim... Não é uma personalidade que cative. Entrou também de um modo pouco claro (que envolveu uma saída pouco explicável do comando técnico do Beira-mar). Tem um currículum pouco expressivo. É parco em palavras e algo sisudo. Ainda por cima tem aquele sotaque madeirense cerrado. A sua imagem decididamente não cai bem nos adeptos cuja maioria prefere um bronco aos berros e aos saltos a partir do banco. Um treinador inexpressivo e analítico no banco é “mole e não percebe nada disto”. Acho que é também este um argumento forte...

Quanto à qualidade do futebol... Jardim optou por mudar tudo de alto a baixo. O modelo de jogo tornou-nos um Braga radicalmente diferente do da época passada. É um Braga de futebol mais apoiado, também mais “mastigado”, com alguma rigidez posicional no que respeita aos jogadores mais defensivos. É também um Braga que joga mais estendido no terreno (raramente faz “campo pequeno” como fazia com Domingos) o que por vezes permite ao adversário jogar entre linhas. Creio que é disso que muitos adeptos não gostam (e eu também não): estavam habituados a que a equipa não deixasse o adversário jogar. Este poderia ter bola mas não teria forma de a jogar com à vontade no nosso meio terreno. A actual equipa é mais permissiva nesse aspecto. A ideia é ter bola e geri-la com segurança (daí os passes de menor risco, a maior lentidão, a rigidez posicional dos homens mais defensivos) e, com isso, impedir o adversário de jogar. São filosofias de jogo radicalmente diferentes. Confesso que também a mim me custa habituar-me a esta mudança. Tendo a preferir uma equipa a jogar mais compacta e a movimentar-se mais em bloco. Mas... há várias formas de ganhar e, mesmo que o nosso modelo de jogo me continue a suscitar interrogações, tenho de dar o benefício da dúvida a quem tem cumprido, sendo fiel às suas ideias. Com as dificuldades que tem havido, os resultados não podem ser apenas fruto da sorte. Mas admito perfeitamente que a muitos adeptos lhes custe muito habituarem-se a esta mudança. Não acredito contudo que as reacções exageradas e mesmo estúpidas e boçais que já se viram contra o treinador, nesta época (fora e em casa), tenham a ver com este argumento. Há que procurar a sua origem nos factores que enumerei anteriormente.

19 de dezembro de 2011

Olhanense 3 - Braga 4: A Reviravolta do Ano

O Braga foi vencer a Olhão no jogo mais emotivo da época depois de estar a perder por 2-0 ao intervalo. A história parece simples, mas o jogo começou complicado para os bracrenses que aos 4 minutos já perdiam no Estádio José Arcanjo depois de um golo de Cauê. A descida aos infernos havia de prosseguir aos 36 minutos quando Yontcha apareceu isolado (pela enésima vez) na cara de Quim e não desperdiçou a oportunidade de facturar, empurrando o Braga para um humilhante derrota por dois golos ao intervalo.

Na segunda parte, Hélder Barbosa e Carlão entraram decididos a virar o rumo dos acontecimentos e, numa rajada, o Braga havia de faturar 4 golos. Primeiro foram Douglão e Elderson, de cabeça, a corresponderem da melhor forma aos cantos marcados por Hugo Viana e Alan. Seis minutos depois do empate, dois golos de rajada (primeiro, um auto-golo de Maurício e depois um remate de Lima) colocariam o Braga em vantagem e pareciam ter decidido um jogo cuja história ainda estava por contar.

Mesmo parecendo desnorteado, o Olhanense reduziu três minutos depois por Cauê, mas a expulsão do guarda-redes aos 85 minutos havia de sentenciar a partida. Braga 4 - Olhanense 3, eis o resultado do mais emotivo de todos os jogos da presente Liga.

Somos Todos Braga!

18 de dezembro de 2011

S.C.Braga domina no Torneio de Preparação de Infantis com 18 classificações nos 3 primeiros lugares e 8 subidas ao lugar mais alto do pódio



O Sporting Clube de Braga foi o clube com mais classificações nos 3 primeiros lugares (18) e com mais “ouros” (8) em cada prova do Torneio de Preparação de Infantis da época 2011/2012, organizado pela Associação de Natação do Minho, disputado no passado fim-de-semana (17 e 18 de Dezembro de 2011), na Piscina Municipal dos Arcos de Valdevez e que contou com a presença de 75 atletas em representação de 7 clubes da Associação de Natação do Minho.

Os “pequenos guerreiros” do S.C.Braga entraram com toda a força e conseguiram arrecadar mais primeiros lugares que o somatório dos primeiros lugares das restantes equipas, dominando assim completamente o Torneio de Preparação de Infantis.

Os vencedores do S.C.Braga foram os seguintes: João Francisco Lopes, primeiro classificado aos 200m livres, 200m estilos, 400m livres e 200m mariposa; Mário Jorge Veloso, primeiro classificado aos 200m bruços; Tamila Hryhorivna Holub, primeira classificada aos 400m livres; Catarina Reis Silva, primeira classificada aos 200m mariposa; estafeta masculina Infantil A, primeira classificada aos 4x100m estilos.

Os seguintes nadadores alcançaram classificações entre os 3 primeiros classificados nas provas do programa: José Pinto em 2º aos 400m livres e 3º aos 200m costas e 200m mariposa; Catarina Reis Silva em 2º aos 200m costas e 200m estilos e 3º aos 400m livres; Tamila Holub em 2º aos 200m livres; Mário Veloso em 3º aos 200m livres; Nuno Coto em 3º aos 200m bruços; estafeta masculina Infantil B em 2º aos 4x100m estilos.

De referir ainda que o nadador João Francisco Lopes dominou a tabela dos atletas multi-medalhados com 5 primeiros lugares, ficando também o nadador Mário Jorge Veloso em terceiro com 2 primeiros lugares e um terceiro lugar.

De salientar ainda que, foi alcançado um número significativo de mínimos de participação no Torneio Zonal e foram batidos mais de 75% de recordes pessoais em 83 provas nadadas pelo S.C.Braga. 


OURO
PRATA
BRONZE
TOTAL
SCBRAGA
8
5
5
18
Viana Natação Clube
4
2
2
8
Escola Desportiva de Viana
2
4
6
12
Desporto de Barcelos
0
3
1
4

Filhos e Enteados da Arbitragem

"Falhei e já segui em frente." (Duarte Gomes)
Ao longo das últimas épocas, o Braga foi vítima de inúmeros erros de arbitragem, quase sempre perpetrados pelos mesmos juízes. Apesar de todas as evidências, nunca um árbitro assumiu publicamente as culpas pelos erros graves que são cometidos. Duarte Gomes veio agora pedir desculpa pelos erros cometidos contra o Porto no jogo de ontem. É uma enorme falta de respeito para todos os outros clubes contra os quais já errou. O árbitro lisboeta diz que seguiu em frente mas fica torna-se mais óbvio que devia era seguir para fora do futebol português.

17 de dezembro de 2011

Braga Defronta Besiktas na Liga Europa

Depois de ter ajudado Portugal a aproximar-se da França no ranking da UEFA, o Sporting de Braga ficou a conhecer o adversário dos dezasseis avos de final da Liga Europa, prova na qual foi finalista na época passada.

Os arsenalistas vão defrontar os turcos do Besiktas que são treinados pelo bracarense Carlos Carvalhal, antigo técnico do Sporting de Braga. O reencontro está agendado para os dias 14 e 23 de Fevereiro, no Estádio Axa e no Besiktas Inönü, respectivamente.

15 de dezembro de 2011

C. Brugge 1 - Braga 1: Golo Irregular Decide Grupo

Com um golo apontado em fora de jogo, o Club Brugge garantiu o empate contra um Braga reduzido a dez unidades durante 75 minutos. Os bracarenses ficam assim na segunda posição do grupo, em empate pontual com os belgas. O resultado tem um sabor amargo para os Gverreiros do Minho que mereciam ter terminado na primeira posição, não fosse mais um erro de arbitragem em prejuízo dos portugueses. O que dirá Platini?

14 de dezembro de 2011

11 de dezembro de 2011

Mercado: Pizzi Fica em Madrid?

O cenário ainda não está completamente confirmado, mas todas as informações disponíveis apontam para o interesse do Atlético de Madrid em accionar a cláusula de 15 milhões de euros que lhe permite comprar o passe de Pizzi. Mais uma boa notícia para as contas da SAD.

10 de dezembro de 2011

Leonardo Jardim

Depois da espera à equipa e treinador depois do jogo de Coimbra, da atitude vergonhosa que alguns adeptos (uma minoria) tiveram no estádio do Dragão, ontem repetiram a dose e assobiaram e insultaram o seu treinador e um dos mais emblemáticos jogadores deste clube (Mossoró) após o golo do empate do Paços de Ferreira. Aquilo que tem vindo a acontecer é a prova de que qualquer pessoa que viesse treinar o Braga nesta época estaria condenada a não cair nas boas graças dos adeptos pela pesada herança que encontraria.


Uma média de dois pontos por jogo para uma equipa que começa este ano praticamente do zero e que, mesmo assim tem vindo a enfrentar as lesões que estão à vista de todos (Baiano, Nuno André Coelho, Paulo Vinicius, Imorou, Custódio, Ukra, Zé Luís, Carlão), não pode ser considerada negativa. Comparativamente ao ano passado, no campeonato, temos, nesta altura, mais 8 pontos e estamos 6 lugares acima na classificação. Na taça de Portugal, fomos eliminados na mesma fase da competição (eliminação natural perante o adversário e o local em que se disputou o jogo) na mesma ronda e, na Liga Europa, estamos bem colocados para disputar o primeiro lugar do grupo, tendo já a passagem garantida.

Leonardo Jardim esteve bem no jogo de ontem, muito bem até! Soube mexer na equipa, soube aquilo que era preciso para vencer, arriscou e venceu.

É preciso apoiar a equipa e o treinador nos maus momentos e não só quando as coisas correm bem. O estilo de jogo de Leonardo Jardim, que até é mais ofensivo e mais "corajoso" que o de Domingos, pode não entusiasmar os adeptos mas a sua eficácia (e é esta que interessa no futebol) é absolutamente inegável. E enquanto assim for... muito bem estamos nós!


PS: Alguns adeptos parecem ter confundido um pedido de aplausos à equipa com um gesto provocatório. Ou isso, ou quiseram confundir...

6 de dezembro de 2011

S.C.Braga "arrasa" no Torneio Regional de Fundo



O Sporting Clube de Braga foi o clube com mais classificações nos 3 primeiros lugares (15) em cada prova do Torneio Regional de Fundo de Infantis da época 2011/2012, organizado pela Associação de Natação do Minho, disputado no passado fim-de-semana (03 e 04 de Dezembro de 2011), nas Piscinas Municipais de Ponte da Barca e que contou com a presença de 93 atletas em representação de 7 clubes da Associação de Natação do Minho.

No Torneio Regional de Fundo a classificação é resultante do somatório dos pontos obtidos por cada nadador no total das provas do programa. O S.C.Braga foi o clube com mais pódios obtidos (8). Assim, os vencedores do S.C.Braga foram os seguintes: Pedro Veiguinha Martins, primeiro classificado na categoria Juvenil A, João Francisco Lopes, primeiro classificado na categoria Infantil A, Nuno Miguel Coto, primeiro classificado na categoria Infantil B, Diogo Miguel Nelas, segundo classificado na categoria Juvenil B, José Pedro Pinto, segundo classificado na categoria Infantil A, José Pedro Fernandes, segundo classificado na categoria Infantil B, Tamila Hryhorivna Holub, segunda classificada na categoria Infantil A e Catarina Reis Silva, terceira classificada na categoria Infantil A.

Os seguintes nadadores alcançaram classificações entre os 3 primeiros classificados nas provas do programa: Pedro Martins em 1º aos 1500m livres e 400m estilos em Juvenil A; João Lopes em 1º aos 1500m livres e 400m estilos em Infantil A; José Fernandes em 1º aos 1500m livres e 2º aos 400m estilos em Infantil B, Nuno Coto em 1º aos 400m estilos e 2º aos 1500m livres em Infantil B; Tamila Holub em 1º aos 800m livres em Infantil A; Diogo Nelas em 2º aos 1500m livres e 400m estilos em Juvenil B; José Pinto em 2º aos 1500m livres em Infantil A; Bruno Rodrigues em 3º aos 1500m livres em Juvenil B; Luís Ribeiro em 3º aos 1500m livres em Infantil A; Catarina Silva em 3º aos 800m livres em Infantil A.

Importa referir que os atletas Pedro Veiguinha Martins, João Francisco Lopes, José Pedro Fernandes e Tamila Hryhorivna Holub efectuaram as melhores performances por pontos do torneio nas suas categorias. Os atletas Pedro Veiguinha Martins e João Francisco Lopes lideraram também a tabela dos atletas multi-medalhados do torneio.

De salientar ainda que, foram alcançados mais mínimos de participação no Torneio Zonal e Campeonato Nacional de Juvenis, e, foram alcançados mais de 90% de recordes pessoais em 44 provas nadadas pelo S.C.Braga, o que dignifica o clube e o empenho diário de todos estes atletas no treino.

Class.
Clube

Ouro
Prata
Bronze
TOTAL
1
Sporting Clube de Braga
SCB
7
5
3
15
2
Escola Desportiva de Viana
EDV
2
4
3
9
3
Escola Desportiva Limiana
EDL
2
1
-
3
4
E. M. Desportos Barcelos
EMDB
2
-
3
5
5
Viana Natação Clube
VNC
1
4
5
10

5 de dezembro de 2011

Campeonato Nacional Absoluto de Piscina Curta - Edgar Ribeiro de Bronze aos 200m Costas


O Sporting Clube de Braga participou com 13 nadadores nos Campeonatos Nacionais de Piscina Curta, que se realizaram em Silves nos dias 02, 03 e 04 de Dezembro/11 e que contaram com a presença de nadadores em representação de 55 clubes nacionais.

O maior destaque para a equipa bracarense vai para Edgar Ribeiro, ao subir ao 3º lugar do pódio nacional absoluto aos 200m costas, repetindo a classificação dos últimos Campeonatos Nacionais Absolutos de Portugal em piscina Olímpica. Este nadador foi ainda finalista principal aos 100m costas e finalista “B” aos 50m costas.

Daniel Pereira também alcançou uma final “A” aos 50m costas, onde alcançou a 7ª posição. Este nadador foi ainda 2º classificado na final “B” dos 100m costas e 4º na final “B” dos 50m mariposa.

Ricardo Machado também esteve em destaque ao classificar-se em 2º na final “B” dos 100m, 200m livres e 1500m livres, em 3º na final “B”dos 400m livres e em 6º na final “B” aos 50m livres.

Débora Oliveira alcançou a 4ª posição na final “B” dos 200m mariposa.

Nuno Malheiro classificou-se em 4º na final “B” dos 1500m livres.

Nuno Oliveira ficou em 3º na final “B” dos 100m mariposa.

Filipe Malheiro alcançou a 6ª posição na final “B” dos 50m livres.

As estafetas masculinas alcançaram sempre a final “A”, com óptimas marcas e classificações: nos 4x200m livres ficou em 5º lugar (Ricardo Machado, Edgar Ribeiro, Nuno Malheiro e Filipe Malheiro); aos 4x100m livres em 7º lugar (Filipe Malheiro, Edgar Ribeiro, Miguel Silva e Ricardo Machado); aos 4x50m estilos em 8º lugar (Daniel Pereira, Hugo Silva, Nuno Oliveira e Filipe Malheiro) e aos 4x100m estilos também em 8º (Edgar Ribeiro, Hugo Silva, Daniel Pereira e Ricardo Machado).

A estafeta feminina de 4x100m estilos alcançou a 13ª posição (Sara Costa, Diana Silva, Débora Oliveira e Inês Costa.

O SC Braga alcançou ainda 20 novos Recordes Pessoais, o que expressa a evolução das marcas alcançadas nestes campeonatos Nacionais.