20 de setembro de 2011

Violência e Injustiça Marcam Derby

Os 1.500 adeptos que se deslocaram de Braga a Guimarães para ver o clube local defrontar o finalista da última edição da Liga Europa foram prendados com o habitual comportamento selvático dos adeptos locais e ainda com um resultado verdadeiramente injusto para o Sporting de Braga. Se houve uma equipa que merecia ganhar, essa equipa era o Sporting Clube de Braga.

A forma como se comportaram as claques do Guimarães e o cobro que a Liga e a Arbitragem têm dado a esse tipo de comportamento resultará com toda a certeza numa tragédia no futebol nacional. Aguarda-se para ver o castigo que um clube que todos reconhecem como mais reincidente na violência receberá por um comportamento que interferiu com o curso do jogo, colocou em risco a segurança dos jogadores e provocou uma paragem de alguns minutos. Aguarda-se também que a direcção do clube daquele sede de município do Distrito de Braga emita um comunicado a repudiar a atitude selvática dos seus próprios adeptos, tal como fez quando estes agrediram jogadores da equipa profissional. Ou será que a violência só é criticável quando dirigida aos deles?

Apesar das borlas e dos 1.500 adeptos que se deslocaram de Braga com bilhetes a 22 Euros, estiveram no Estádio D. Afonso Henriques cerca de 18.000 adeptos. Enganou-se Rui Vitória quando disse que aquele era o único clube capaz de meter mais de 20.000 pessoas no Estádio. Ele que vá ver quantos estiveram na Meia Final da Liga Europa, com bilhetes exclusivamente vendidos a associados do Sporting de Braga (para lá dos enviados para a Luz por força da Lei).

Contas feitas, o Braga é terceiro isolado e o Sporting lá continua a receber os créditos da contestação à arbitragem.