31 de agosto de 2011

Um Jardim diferente

Se na semana passada manifestei aqui a minha desilusão perante a atitude aparentemente pouco ambiciosa de Leonardo Jardim, hoje julgo ter razões para o elogiar.

Não sei se por adaptação às circunstâncias ou por estratégia, o nosso técnico mudou de perspectiva. A atitude conservadora frente aos adversários anteriores foi posta de lado e L. Jardim surpreendeu-me colocando em jogo um meio campo bastante ofensivo: em vez de Djamal-Salino-Hugo Viana, optou pelo trio Djamal-Hugo Viana-Mossoró. A diferença parece-me enorme. Se bem que Salino seja um excelente jogador, é nítida a sua dificuldade em fazer passes de risco. Assim, como Djamal tem a mesma dificuldade, todo o jogo ofensivo teria de passar pelos pés de Hugo Viana ou pelo recuo dos avançados. Mas com Mossoró no meio campo ofensivo ganhámos mais um organizador e transportador de jogo. A diferença foi enorme: mais risco, mais jogo ofensivo, mais oportunidades de golo e futebol mais espectacular.
Outro aspecto que me agradou foi o risco (agora sim) assumido nas substituições; e segundos antes do golo de Helder Barbosa, estava preparado para entrar o terceiro ponta de lança da equipa! Não sei se seria boa ideia, mas que era uma opção corajosa, isso não podemos negar.

Com esta atitude ganhadora estou convencido que temos condições para fazer mais uma grande época. E não esqueçamos que ainda temos grandes “reforços” na manga: Custódio, (na minha opinião, irá dar mais inteligência e poder de “fogo” ao meio campo) Paulo César, Imorou, Ukra e Zé Luís. Isto para além dos recentemente contratados…

Temos razões mais que suficientes para acreditar!