20 de abril de 2011

Domingos e Jesus: que diferença!

Estive a ver o jogo da meia final da taça que o Benfica perdeu para o Porto.
Aqueles que seguem o que escrevo sabem que mesmo quando Jorge Jesus foi treinador do nosso clube, nunca "foi no meu carro à missa".
No jogo de hoje vieram ao de cima dois aspectos (que já me tinham chamado a atenção quando JJ foi treinador do SC Braga) e que têm sido pouco falados, mesmo nos jornais mais-ou-menos-oficiais do clube da freguesia dos arredores de Lisboa.
Primeiro aspecto: quando está a perder um jogo, tira defesas ou médios e faz entrar avançados. resultado: se o adversário tiver uma equipa minimamente capaz, ocupa o meio-campo como quer e ganha o jogo com facilidade.
O segundo aspecto: a maneira pouco eficaz como gere o plantel; se há jogadores em quem ele confia, são titulares em todos os jogos. Dessa forma há um núcleo de atletas obrigados a "dar o litro" em todos os desafios e quando tem de "rodar" o plantel mete 10 e tira 10. Resultado: chega ao fim da época com meio plantel todo esfalfado e outro meio sem ritmo competitivo.
Gostava que os "entendidos" fizessem o favor de comparar esta situação com o trabalho de Domingos no Braga. O próprio Jesus só teria a aprender se quizesse saber como gerir um plantel. Mesmo sem dispôr dos milhões que ele pôde, a seu bel-prazer, gastar.
É por isso que eu continuo a dizer: Domingos é o melhor treinador do Braga nos últimos anos...