10 de abril de 2011

Contra-Ataque: O Outro Lado do Braga - Guimarães

Cumprindo o compromisso assumido, passarei por cima das polémicas dos últimas dias, sobre as quais já muito se disse e escreveu. Centro-me apenas no jogo desta segunda-feira e naquilo que estará em causa. 3 pontos mas que, escusado será dizer, nunca são 3 pontos quaisquer. Principalmente porque estão em disputa num jogo entre rivais e em que vencer é sempre a palavra de ordem.

Do ponto de vista desportivo, não será difícil prever dificuldades. O Sporting CB atravessa um bom momento, é inegável, principalmente na competição interna, já que nas competições europeias mantém a bitola de excelência evidenciada desde o início da época. Se custa admitir? Dificilmente responderei que me é indiferente, mas tenderia a cair no ridículo se não admitisse aquilo que está à vista de todos e não fosse capaz de vos felicitar pela campanha.

Também por isso o jogo será complicado para o Vitória. Porque pela frente encontrará um adversário com um grande capital de confiança e que tudo fará para manter o 3º lugar do campeonato. Não acredito num eventual desgaste da equipa, apesar da proximidade do último jogo na Ucrânia, mas acredito que o treinador do Braga possa poupar um ou outro jogador a pensar no jogo de quinta-feira, a exemplo aliás – noutras circunstâncias – do que fez Manuel Machado no encontro da Taça da Liga.

Mas, mesmo que tal aconteça, não creio que isso se possa transformar em qualquer vantagem para o Vitória. Quem entrar tudo fará certamente para vencer o encontro, porque também percebem que estes clássicos são feitos para ganhar.

Do lado do Vitória, há dois objectivos propostos para esta temporada já alcançados, o que provavelmente diminuirá as responsabilidades para o jogo desta segunda-feira: a final da Taça de Portugal está garantida e o regresso às competições europeias também. Contudo, há muito ainda para ganhar. É, desde logo, determinante que o Vitória ganhe confiança, a tal que demonstrou na etapa complementar do jogo com o Sporting de Lisboa, até para preparar a final do Jamor e nada melhor do que ganhar no terreno do rival. Depois porque não é indiferente ficar em 3º, 5º ou 6º. Um clube com a tradição do Vitória, terá sempre de lutar pela melhor classificação possível – e esta temporada até com a agravante de isso poder significar ter mais tempo para preparar a pré-temporada – e por isso é fundamental que o Vitória garanta os 3 pontos, para encurtar distância para o 3º e 4º classificados.

Já lá vão muitos anos desde o último triunfo vitoriano frente à vossa equipa, na famosa “serenata à chuva” em pleno 1º de Maio, com o triunfo por 2-4, mas espero que seja este ano que se possa repetir. Em Guimarães, há qualidade para isso e apesar do bom momento do adversário, o Vitória provou na jornada passada que, quando quer, consegue protagonizar bons espectáculos e fazer grandes exibições. Assim queira a equipa e assim queiram aqueles que intervêm (in)directamente no desenrolar do jogo. Aguardo por isso que João Ferreira seja mais feliz neste jogo do que foi no da 1ª volta com razões de queixa claras para o Vitória e que seja igualmente mais feliz do que a espécie de árbitro do encontro da época passada.

Terminaria com dois desejos. O primeiro que já transmiti no parágrafo anterior, de que o Vitória saia vencedor do encontro. O segundo relativamente ao ambiente do dérbi. Pelas circunstâncias que são conhecidas e pelo boicote feito não serão muitos os vitorianos presentes no vosso estádio, mas espero sinceramente que aparte os diferendos entre direcções, das rivalidades entre adeptos e clubes e do anseio de uns e outros adeptos de verem sempre o seu arqui-rival perder em toda a linha, que o jogo corra dentro de um ambiente de respeito e sem qualquer tipo de problemas. Independentemente de quem sair vencedor, que acima de tudo ganhe o futebol e o Minho. É tempo de pôr fim à escalada de violência dos últimos jogos. E que, num futuro próximo, se possa regressar rapidamente a jogos como os que vemos na imagem (em baixo). Com rivalidade sim, sempre, mas com a segurança necessária para que possamos a voltar a ter derbies minhotos, apenas lembrados pela rivalidade nas bancadas e no terreno de jogo e não pela que se passe fora do estádio. Mas para isso terão de contribuir todos e não só alguns.

Contributo do blogue O Vimaranes

braga1