8 de março de 2011

Braga 2 - Benfica 1: Do Mau Perder Benfiquista

No rescaldo do comportamento vergonhoso dos dirigentes e adeptos do Benfica no final da partida justamente ganha pelo Sporting de Braga, vários notáveis bracarenses levantaram a voz contra as constantes provocações proferidas por Jorge Jesus e Luís Filipe Vieira contra a cidade e as pessoas de Braga. O jornal (?) desportivo A Bola, assumidamente benfiquista, e a estação de televisão SIC também estão na mira dos bracarenses devido ao mau trato que têm dado à verdade e à isenção jornalísticas.

Mesquita Machado: "Não temos de prestar vassalagem ao Benfica nem a clube nenhum. Os bracarenses têm como primeiro clube o Braga e não são obrigados a apoiar mais nenhum. Se ele [Luís Filipe Vieira] estava à espera de ser recebido com ranchos folclóricos e bandas de música, enganou-se. Mas, se ele quiser, eu proponho que se arranje isso para o receber da próxima vez. Só uma equipa é que jogou futebol e que criou 'n' oportunidades. O Benfica pode dar-se por feliz por ter perdido só por 2-1, porque se os nossos avançados tivessem concretizado todas as oportunidades, teria sido pior. O jornal A BOLA deveria ter um emblema do Benfica na primeira página, porque toda a gente sabe que é um acérrimo defensor do clube. Mas isso não nos incomoda, porque a vitória foi totalmente merecida."

Pedro Machado: "Só vejo chatices no túnel e no Estádio da Luz. Em Braga não há jagunços, mas em Alverca já ouvi falar no Kadafi dos pneus. Contudo, a instituição Benfica está acima de qualquer presidente", referiu o ex-líder dos minhotos, lamentando que as águias "tenham alguém a justificar as derrotas com coisas externas".

Miguel Guimarães: "Isto fala-se porque se trata de um atleta do Benfica; já vi jogadores do Braga serem expulsos por muito menos", lembra o ex-presidente da SAD, que explica a alegada hostilidade dos arsenalistas com um sentimento de injustiça. "No ano passado a Comissão Disciplinar foi célere a punir com imagens montadas, mas ainda não puniu Jorge Jesus pela chapada ao atleta do Nacional", lembrou.

João Gomes Oliveira: Apesar de gostar "ser bem recebido em qualquer lado, é sempre uma situação complicada de gerir". No entanto, revela que não se apercebeu de "nada de extraordinário" no encontro de domingo para levar Luís Filipe Vieira a dizer o que disse. Muito menos em relação ao árbitro. "Na bancada não se vê ao pormenor o que aconteceu, mas a expulsão pareceu-me totalmente justa", observou.