5 de novembro de 2007

Ponto da Situação

António Salvador pronunciou-se sobre o ocorrido na noite anterior, depois da derrota em Matosinhos. Instado a comentar a recepção à equipa no Estádio AXA, disse "compreender a revolta e frustração que manifestaram, porque também é a nossa e dos jogadores". "Sabemos o que fazer para inverter a situação, unindo-se em volta da equipa para que esta regresse às vitórias." E continuou: "Há momentos maus em todos os grandes clubes", sintetizou o líder refutando, no entanto, a ideia de que o Braga esteja a viver tempos de crise. "Admito que não estamos a viver um momento bom, mas não pelo que sucedeu ontem, pois já vem do passado", argumentou Salvador para quem as razões que levaram Jorge Costa a falhar "tem vindo a manifestar-se até ao jogo com o Leixões". Repetindo a afirmação proferida no anúncio da sua recandidatura à presidência do Braga, Salvador diz-se "responsável máximo" do clube e garantiu que "vai continuar com os jogadores e equipa técnica para inverter a situação que a equipa está a viver". A derrota em Matosinhos não faz alterar os planos e Salvador assegura que António Caldas estará no banco frente ao Sporting, nada adiantando em relação ao nome do futuro treinador. "Fala-se em muitos nomes, mas é com calma e sem pressão que vou fazer a escolha", disse. Sobre eventuais mexidas no plantel, remeteu-o para a futura equipa técnica bracarense sem, no entanto, deixar de considerar que o actual plantel "é grande em qualidade" e que apenas atravessa uma fase menos boa. "Espero que passe depressa, pois nada está perdido e acredito que atingiremos os nossos objectivos", concluiu o dirigente.

Duas horas a falar no balneário


Depois das emoções fortes vividas na noite anterior, quando o autocarro chegou ao Estádio AXA proveniente de Matosinhos, com os jogadores a não conseguirem contornar os apupos e insultos da multidão em fúria em resultado da pesada derrota sofrida na visita ao terreno do Leixões, o plantel regressou ao recinto pelas 9h30 da manhã de ontem, para um treino meia hora depois. Pura ilusão! É que só passadas duas horas… é que os atletas subiram ao relvado de apoio para uma sessão de trabalho a dois tempos, com os titulares em Matosinhos a cumprirem uma sessão de recuperação que não excedeu os 25 minutos. Na longa reclusão discutiram as razões da derrota facto que adiou para as 11h30 o apronto. Com Rodriguez impedido de dar o contributo à equipa na véspera, por continuar com dores nos gémeos, aumentou para sete o número de ausências na sessão, juntando-se a João Tomás, Anilton, Baylón, Bruno Tiago, Ricardo e Vítor Hugo. No relvado, além de Bruno Tiago, que já avançou na preparação sendo possível ver que já trabalha a vertente física, estiveram a dupla de jogadores peruanos que, na companhia do júnior Abdu, fizeram corrida ligeira e alguns exercícios. Vítor Hugo quedou-se pelo ginásio em trabalho compensatório. O grupo de jogadores onde se incluíam João Pinto e Zé Manel, suplentes utilizados na véspera, treinaram durante uma hora, numa sessão que incidiu, na sua maior parte, nos aspectos da finalização, terminando com uma peladinha em campo curto. Finda a sessão, foi tempo de recolha aos balneários e, finalmente, autorização para gozar a folga agendada. Hoje continua o descanso e o regresso, já para preparar a recepção ao Sporting, no próximo Domingo, será amanhã de manhã.

João Pinto sem culpa


Na primeira vez que comentou a situação em torno de João Pinto, impedido durante um mês de dar o seu contributo à equipa por estar suspenso e resolvida na última semana, Salvador negou que o jogador tenha estado de castigo. "Não foi isso que aconteceu, apenas se abriu um processo de averiguação de factos que confirmaram não ter havido violação das regras do regulamento interno do clube", argumentou.

Salvador foi ao balneário


António Salvador abandonou sábado as instalações do Estádio do Mar, saindo do balneário onde esteve a equipa minhota. Em silêncio e na companhia de alguns jogadores. Questionado sobre essa situação e o que disse aos jogadores no final, o dirigente respondeu: "É verdade, fui falar-lhe e dar-lhes ânimo dizendo-lhes que ainda há mais vida pela frente". Uma prática que, através da sua presença ontem de manhã, no treino, foi reafirmada, pese embora o ambiente pesado que se fazia sentir e os rostos fechados dos intervenientes durante a sessão de trabalho. in o jogo


Tal como eu tinha previsto, o treinador Caldas vai continuar no comando técnico do Braga, mesmo depois da pesada derrota no Estádio do Mar.